News

Ciberguerra preocupa maioria das organizações nacionais

Estudo da Armis aponta que 62% das empresas portuguesas se mostram preocupados com uma ciberguerra, mas 37% não estão preparadas para lidar com o cenário

24/01/2023

Ciberguerra preocupa maioria das organizações nacionais

O panorama de ciberameaças é cada vez mais complexo, os ataques mais frequentes, sofisticados e severos e a possibilidade de uma ciberguerra cada vez mais real. Porém, apesar dos acontecimentos globais e contínuos mais recentes, como a pandemia e a guerra da Ucrânia, 38% das empresas em Portugal ainda não estão a levar a ameaça de ciberguerra a sério e 37% não estão preparadas para lidar com um evento destes, de acordo com um estudo desenvolvido pela Armis.

Segundo o inquérito, que envolveu mais de seis mil profissionais de TI, de diferentes setores, em 14 países, 62% das organizações portuguesas estão preocupadas com o impacto de uma ciberguerra na sua empresa, 78% dos inquiridos consideram provável um aumento do orçamento para cibersegurança e 31% afirmaram ter experienciado mais atividade ameaçadora na sua rede. Apenas 53% dos profissionais estão confiantes de que o Governo nacional pode defender-se contra a ciberguerra.

A ciberguerra é o futuro do terrorismo sob o efeito de esteroides, proporcionando um método de ataque económico e assimétrico, que requer vigilância constante e despesas para se defender”, disse, em comunicado, Nadir Izrael, CTO e Co-fundador na Armis. “A ciberguerra clandestina está a tornar-se rapidamente uma coisa do passado. Atualmente, já assistimos a ciberataques descarados dos Estados-nação, muitas vezes com a intenção de recolher informações, interromper as operações ou destruir completamente os dados. Com base nestas tendências, todas as organizações devem considerar-se possíveis alvos de ataques de ciberguerra e proteger os seus ativos em conformidade”.

Vesku Turtia, diretor regional da Armis na Península Ibérica, explica que “a atual instabilidade geopolítica, associada à invasão russa da Ucrânia, também acelerou o aumento dos ciberataques. Alguns sectores, fundamentais para a economia e sociedade, como os cuidados de saúde, as infraestruturas críticas e o setor industrial, estão particularmente em risco e é primordial que todos sejam protegidos”.

As organizações portuguesas, que ainda se encontram num processo de transformação e adaptação aos novos modelos de trabalho remoto e híbrido, terão de investir em cibersegurança para garantir que a adoção de novas tecnologias possa ser feita de forma segura”, conclui.

As principais conclusões do estudo da Armis sobre o Estado da Ciberguerra são:

  • Em Portugal, 62% das organizações estão preocupadas com o impacto de uma ciberguerra na sua empresa como um todo. Contudo, 38% das empresas portuguesas ainda não estão a levar esta ameaça a sério e 37% acreditam que a sua empresa está pouco preparada para lidar com uma ameaça de ciberguerra, um valor superior à média europeia e global (26% e 24%, respetivamente);
  • A atual situação geopolítica aumentou as preocupações sobre uma possível ciberguerra, com 67% dos inquiridos portugueses a concordarem que a guerra na Ucrânia criou uma ameaça maior, ligeiramente acima das médias europeias e globais (63% e 64%, respetivamente).  Entre os profissionais de TI inquiridos, 31% afirmaram ter tido uma maior atividade ameaçadora na sua rede entre maio e outubro de 2022, em comparação com os seis meses anteriores. Um valor acima da média europeia (25%), mas igual ao registado a nível mundial (31%);
  • Apesar da crescente preocupação com a ciberguerra, as empresas portuguesas continuam concentradas na sua transformação digital. Apenas 35% dos profissionais informáticos portugueses inquiridos pela Armis afirmam que a sua organização parou temporariamente ou abandonou estes projetos, um número significativamente inferior à média europeia (50%) e global (55%);
  • Os elementos de segurança prioritários para os profissionais de TI portugueses são a proteção de dados (78% das respostas), a deteção de intrusão (55%) e a gestão de identidade e de acesso (52%). Quanto às ferramentas ou serviços de cibersegurança em que as suas organizações aumentaram o investimento nos últimos seis meses, os inquiridos indicam o Configuration Management Database (46%), seguido da gestão de acesso (45%) e de vulnerabilidade (41%). As principais práticas de cibersegurança implementadas nas organizações são o backup de dados (65%), a utilização de firewall e software anti-malware (64%), e dados encriptados (57%);
  • A formação tem sido outro foco das empresas portuguesas. Questionados sobre se a sua empresa realiza formação regular para todos os colaboradores sobre como se comportar de forma segura online, 77% dos profissionais de TI concordaram;
  • Tendo em consideração os acontecimentos recentes, como a pandemia e a guerra na Ucrânia, 78% dos portugueses inquiridos consideram provável que a sua organização invista mais do seu orçamento em cibersegurança. Atualmente, uma grande proporção das empresas portuguesas apenas atribui entre 5 e 10% do seu orçamento de TI à cibersegurança (41%);
  • Quando questionados se confiam na capacidade de defesa do Governo contra a ciberguerra, 53% dos profissionais de TI e segurança portugueses manifestaram-se confiantes. O estudo da Armis também inclui duas questões específicas para o mercado português, relativas ao novo Regime Jurídico para a Segurança do Ciberespaço em Portugal. Quando questionados se o novo regime mudou a forma como as empresas lidam com as medidas de cibersegurança, 53% dos profissionais de TI e de segurança portugueses responderam afirmativamente. À pergunta se as empresas devem ser multadas se não tiverem planos de segurança contra ciberataques, 67% dos inquiridos responderam 'sim'.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº10 Fevereiro 2023

IT SECURITY Nº10 Fevereiro 2023

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.