News

Lacuna de competências possibilita ocorrência de violações de segurança

Segundo o novo relatório Cybersecurity Skills Gap 2022 da Fortinet, oito em cada dez organizações sofreram pelo menos um ataque que poderiam atribuir à falta de competências ou de sensibilização no que diz respeito à cibersegurança

03/05/2022

Lacuna de competências possibilita ocorrência de violações de segurança

A Fortinet divulgou o relatório Cybersecurity Skills Gap 2022 – realizado tendo por base o testemunho de mais de 1200 decisores de IT e de cibersegurança a nível global – que revela que a escassez de competências cibernéticas continua a ter múltiplos desafios e repercussões para as organizações, incluindo a ocorrência de violações de segurança e, consequentemente, perda de dinheiro.

Como resultado, o gap de competências continua a ser uma das principais preocupações dos executivos de nível C e está a tornar-se cada vez mais uma prioridade a nível de direção. O relatório sugere, também, formas de abordar o gap de competências, tais como através de formações e certificações para aumentar o conhecimento dos colaboradores.  

"De acordo com o relatório da Fortinet, a falta de competências não é apenas um desafio de escassez de talento, mas tem também um impacto severo nos negócios, tornando-o numa das principais preocupações dos líderes executivos em todo o mundo”, reflete Sandra Wheatley, SVP Marketing, Threat Intelligence e Influencer Communications da Fortinet.

O relatório demonstra múltiplos riscos resultantes do gap de competências cibernéticas. Mais, em particular, oito em cada dez das organizações inquiridas sofreram pelo menos um ataque que poderiam atribuir à falta de competências ou de sensibilização no que diz respeito à cibersegurança. Adicionalmente, a nível global, 64% das organizações sofreram violações que resultaram em perda de receitas, custos de recuperação e/ou multas.

Mais, Sandra Wheatley acrescenta que “através dos programas da Fortinet Training Advancement Agenda (TAA) e do Training Institute, estamos empenhados em enfrentar os desafios revelados no relatório através de várias iniciativas, incluindo programas focados em certificações de cibersegurança e no recrutamento de mais mulheres para a cibersegurança. Como parte deste compromisso, a Fortinet comprometeu-se a formar um milhão de profissionais para aumentar as competências cibernéticas, a consciencialização e a fazer a diferença no gap de competências até 2026". 

Tendo em conta os custos crescentes dos ataques nos lucros e na reputação das organizações, a cibersegurança está a tornar-se cada vez mais uma prioridade ao nível da administração. Globalmente, 88% das organizações, que têm um conselho de administração, informaram que o seu conselho faz perguntas específicas sobre cibersegurança e 76% das organizações têm um conselho de administração que recomendou um aumento no número de especialistas em TI e cibersegurança.

O relatório nota, ainda, que as formações e as certificações são formas críticas de as organizações resolverem ainda mais o gap de competências. Nesse sentido, 95% dos líderes acredita que as certificações focadas na tecnologia têm um impacto positivo no seu papel e na sua equipa, enquanto 81% dos líderes prefere contratar pessoas com certificações. Além disso, 91% dos inquiridos partilhou que está disposto a pagar a um colaborador para obter cibercertificações. Uma das principais razões para as certificações serem altamente consideradas deve-se à sua validação do aumento do conhecimento e consciencialização sobre cibersegurança, indica a Fortinet.

Além da valorização das certificações, 87% das organizações implementaram um programa de formação para aumentar a consciência cibernética, nota o relatório. No entanto, 52% dos líderes acredita que os seus colaboradores ainda carecem dos conhecimentos necessários, o que levanta questões sobre a eficácia dos seus atuais programas de sensibilização para a segurança.

Um desafio significativo para as organizações tem sido encontrar e manter as pessoas certas para preencher funções críticas de segurança, desde especialistas em segurança na cloud a analistas de SOC. O relatório concluiu que 60% dos líderes admite que a sua organização luta com o recrutamento e 52% luta para reter talentos, explica a Fortinet.

Entre os desafios de contratação está o recrutamento de mulheres, universitários licenciados e minorias. Globalmente, sete em cada dez líderes veem o recrutamento de mulheres e novos licenciados como um obstáculo de topo na contratação e 61% dizem que a contratação de minorias tem sido um desafio. 

À medida que as organizações procuram formar equipas mais capazes e mais diversificadas, 89% das empresas globais têm objetivos explícitos de diversidade como parte da sua estratégia de contratação, de acordo com o relatório. O relatório também demonstrou que 75% das organizações têm estruturas formais para recrutar especificamente mais mulheres e 59% têm estratégias em vigor para contratar minorias. Além disso, 51% das organizações têm feito esforços para contratar mais veteranos. 


NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº5 Abril 2022

IT SECURITY Nº5 Abril 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.