Blue team

S.Labs

SIEM: a arma essencial na deteção e resposta a ataque cibernéticos

Os ataques cibernéticos são, à escala global, uma realidade cada vez mais comum. Garantir a proteção dos dados e fortalecer constantemente o sistema de segurança são funções críticas para as equipas de TI

Por Pedro Miguel Marques, Network Security Consultant na Chief Security Officers . 01/06/2023

SIEM: a arma essencial na deteção e resposta a ataque cibernéticos

Diante dessa onda de ameaças, muitas organizações têm procurado soluções que permitam a deteção precoce de comportamentos maliciosos nos seus sistemas, automatizando assim a minimização das consequências resultantes de uma quebra de segurança. É nesse contexto que o sistema SIEM (Security Information and Event Management) desempenha um papel fundamental.

Pedro Miguel Marques, Network Security Consultant na Chief Security Officers

 

O SIEM surgiu em meados dos anos 2000, quando o termo foi cunhado por analistas da Gartner. Essa tecnologia é a combinação das metodologias de proteção de segurança conhecidas como Security Information Management (SIM) e Security Event Management (SEM). Enquanto os sistemas SIM examinam logs em busca de padrões suspeitos de atividades, os métodos SEM verificam eventos em tempo real, como padrões de tráfego e atividades de utilizadores.

Atualmente, o SIEM é uma arquitetura mais avançada e abrangente. Foram introduzidas novas ferramentas para reduzir riscos, incluindo o uso de Machine Learning e Inteligência Artificial (IA) para ajudar os sistemas a identificar com precisão as anomalias. O SIEM oferece uma visão holística das informações do ambiente de segurança de uma organização, tornando mais fácil a obtenção e análise desses dados para garantir sistemas seguros e confiáveis. Todas as informações da organização são centralizadas num repositório, permitindo fácil acesso.

O SIEM oferece uma série de benefícios para as organizações. Por meio da filtragem de grandes volumes de dados de segurança e priorização de alertas, é possível detetar incidentes que, de outra forma, passariam despercebidos. O software analisa as entradas de log para identificar sinais de atividade maliciosa. Ao reunir eventos de diferentes fontes na rede, o SIEM pode recriar os fluxos de ataque, permitindo que seja determinada a natureza e o impacto desses ataques. Além disso, o SIEM possibilita análises forenses detalhadas em caso de grandes violações de segurança. As empresas podem utilizar o SIEM para uma variedade de casos de uso, como segurança, relatórios de auditoria, conformidade regulatória, help desk e resolução de problemas de rede.

O SIEM deve apresentar diversas características essenciais, incluindo:

  • Capacidade de integração: o SIEM deve permitir a integração de informações provenientes de diversas fontes e formatos de dados, bem como ferramentas de notificação e sistemas de registo e acompanhamento de incidentes.
  • Monitorização: o SIEM deve ser capaz de monitorizar a segurança de serviços ativos e detetar interrupções indesejadas.
  • Capacidade de relacionar eventos: É imprescindível que o SIEM possua a capacidade de potencializar a análise rápida das informações recolhidas e detetar padrões anómalos. Além disso, deve oferecer funcionalidades analíticas e incorporar recursos de Machine Learning.
  • Segregação de funções: Para responder às necessidades de diferentes equipas e funções, o SIEM deve ser capaz de gerir permissões de acesso às informações apresentadas ou produzidas, de acordo com grupos/funções/ambientes específicos. O acesso às funcionalidades e domínios de monitorização deve ser gerido de acordo com a necessidade de conhecimento de cada grupo.
  • Produção de relatórios: É importante que o SIEM possua a capacidade de gerar relatórios técnicos, relatórios de gestão segmentados por categorias, ativos, malware, aplicações, entre outros, e automatizar a produção e o envio desses relatórios.
  • Relatórios de conformidade: O SIEM deve permitir a produção de relatórios que abordem normas relevantes para a organização, como os padrões internacionais ISO 27001:2013 ou RGPD, além de possibilitar a personalização desses relatórios conforme necessário.
  • Inviolabilidade dos logs: É imprescindível que o SIEM garanta a integridade dos logs armazenados, seja para fins de conformidade e auditorias internas ou externas, ou para a realização de ações forenses quando necessário.

Em suma, o SIEM é uma poderosa solução para a deteção, análise e resposta a ameaças cibernéticas. Ao implementar esta tecnologia, as organizações procuram fortalecer a sua postura de segurança, garantir a proteção dos dados e mitigar os riscos associados aos ataques cibernéticos. Com as melhorias contínuas e as perspetivas futuras, o SIEM continuará a desempenhar um papel crucial na defesa contra ameaças digitais e na segurança das informações corporativas.

 

Conteúdo co-produzido pela MediaNext e pela CSO

CSO

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.