Blue team

“O negócio está a crescer, mas também diria que está numa fase de mutação perigosa”

A VisionWare é especializada em todas as matérias que envolvem a segurança de qualquer organização ou instituição que pretenda viver no mundo digital

Por Diana Ribeiro Santos . 29/04/2022

“O negócio está a crescer, mas também diria que está numa fase de mutação perigosa”

A VisionWare foi fundada no ano 2005 por Bruno Castro, atual CEO e especialista em cibersegurança e investigação forense, e por mais dois amigos. Desde a sua génese, está focada em áreas de atuação como cibersegurança, IT, investigação forense, compliance, privacidade, formação e intelligence.

A empresa tem sede no Porto e uma filial em Lisboa, mas trabalham para todo o mundo. Expandiram os escritórios para Lisboa em 2006 e no ano seguinte venceram o primeiro projeto em Cabo Verde, lançando assim a sua presença nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa que se mantém sólida até hoje.

Credenciados pela NATO, trabalham para serem reconhecidos pela comunidade e pelo setor da segurança da informação; “só desta forma tem sido possível mantermos a confiança e fidelização contínua dos nossos clientes enquanto empresa altamente especializada e certificada, capaz de desafiar um mundo cada vez mais inseguro e complexo, protegendo e monitorizando diariamente o negócio dos nossos clientes”, explica.

Em Portugal, a VisionWare tem perto de 70 colaboradores em fase de crescimento e em Cabo Verde, no polo para o mercado PALOP, irão recrutar mais 20 elementos, perfazendo um número próximo dos 30 colaboradores.

Soluções mais procuradas

A VisionWare é uma empresa de nicho de mercado no setor da cibersegurança que sustenta o seu negócio na prestação de serviços especializados, em prol da transação de produtos – hardware e/ou software – e da sua respetiva implementação.

Bruno Castro, CEO da VisionWare

 

Têm mantido a sua abordagem tradicional, acentuando na procura constante de pontos de melhoria – através de processos de auditorias de segurança – e apoiando a implementação das medidas corretivas, através de consultoria, de forma a aumentar o nível de maturidade de segurança e por inerência, também a redução do nível de risco. A empresa tem vindo ainda a apostar muito na divulgação e implementação de medidas “defensivas” com inteligência avançada na componente de monitorização e alarmística contínua ao nível da segurança dentro de portas.

“É cada vez mais fundamental criar estruturas de deteção e reagir (em tempo real) a comportamentos suspeitos dentro da rede (incluindo o perímetro) das organizações. Será por aí a nossa maior recomendação para nos protegermos do panorama de warfare”, explica Bruno Castro.

A evolução do negócio e a estratégia de expansão

Na sequência dos recentes acontecimentos – pandemia, teletrabalho, salto do tecido empresarial para a internet, ataques cibernéticos de elevada escala e guerra na Ucrânia – Bruno Castro acredita que, por relações diretas com todos estes acontecimentos, o mercado da segurança e da cibersegurança, cresceu bastante.

“O negócio está a crescer, mas também diria que está numa fase de mutação perigosa, onde já começamos a identificar alguma ‘banalização’ da especialização dos serviços. Visto que se trata de um setor de atividade em crescimento, estamos a perceber que muitas das empresas que atuavam no setor das tecnologias da informação se ajustaram e deram o salto para a cibersegurança. Infelizmente, muitas dessas empresas não têm conhecimento ou experiência suficiente para se posicionarem no setor de forma credível ou honesta. Este fator tem confundido o mercado. Comprar gato por lebre é sempre uma tentação para as empresas”.

Apesar de ainda estar numa fase de análise e seleção da zona geográfica específica, a VisionWare pretende criar mais dois polos no interior do território nacional.


RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº5 Abril 2022

IT SECURITY Nº5 Abril 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.