Compliance

Digital Trust: 59% dos consumidores mudariam de empresa na sequência de um ciberataque

O cibercrime tem um profundo impacto nos comportamentos de fidelização da marca, e é cada vez mais importante que as empresas forneçam proativamente aos seus clientes todo o apoio possível na proteção da sua identidade

07/12/2020

Digital Trust: 59% dos consumidores mudariam de empresa na sequência de um ciberataque

Os clientes do setor financeiro são os menos tolerantes de empresas que não resolvem um ataque num curto espaço de tempo e são obrigados a perturbar os seus serviços. Especificamente, 43% dos utilizadores dizem que procurariam imediatamente outra instituição financeira competitiva se um ciberataque os impedisse de realizar transações financeiras. Isto é demonstrado por um estudo de ransomware Arcserve's Stunning Impact on Consumer Loyalty and Purchaseing Behavior study of 2.000 consumers in North America and Europe.

Este grau de preocupação coincide com o que foi refletido há alguns meses pelo relatório de investigação SOS da CxLoyalty sobre cibercrime. Segundo o qual 55% dos inquiridos não têm a certeza de que possam prevenir um cibercrime e metade não confia em ser capaz de o detetar. "O cibercrime não só representa um risco para as organizações pelas sanções que podem implicar ou pelo seu impacto financeiro, como pode afetar seriamente a reputação da marca e assim destruir a relação dos seus clientes com eles", diz Eduardo Esparza, Vice-diretor Geral da CXLoyalty.

O cibercrime tem um profundo impacto nos comportamentos de compra e fidelização da marca, ao ponto de 59% dos consumidores trocarem de empresa se visassem um ciberataque e 66% mudariam para um concorrente deste tipo de serviço se o fornecedor não conseguir restaurar os seus dados no prazo de três dias.

Os clientes devem seguir boas práticas para se manterem a salvo de criminosos digitais. Alguns deles são: rejeitar e-mails de spam, verificar nomes e e-mails dos remetentes, prestar atenção a erros ortográficos e gramaticais comuns em ciberataques, rever URLs antes de clicar em links, não fornecer dados pessoais em caso de dúvida, usar senhas diferentes e alterá-los por suspeita de ciberataque, e implementar autenticação de dois fatores.

Na cxLoyalty acreditam que as empresas têm a oportunidade de melhorar a sua posição de confiança, fornecendo proativamente aos seus clientes todo o apoio possível na proteção da sua identidade e adaptando-se da melhor forma possível às suas necessidades para que se mantenham fiéis à marca. "É mais importante do que nunca que as empresas sejam pró-ativas através da aquisição de um compromisso de transparência e orientação para os seus clientes para que possam ser mantidas a salvo dos cibercriminosos. Mostrar-lhes boas práticas e acompanhá-las a todo o momento na proteção da sua identidade ajudará as marcas a construir relações mais próximas e mais confiáveis com os seus clientes", acrescenta Esparza.


Notícias relacionadas

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº1 Junho 2021

IT SECURITY Nº1 Junho 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.