Compliance

Tendências europeias de privacidade de dados previstas para 2021

A Forrester analisou a forma como as regras de privacidade e proteção de dados afetarão as empresas europeias já no próximo ano

28/11/2020

Tendências europeias de privacidade de dados previstas para 2021

Julian Archer, Vice-Presidente e Analista Sénior da Forrester, discutiu pela primeira vez o papel mais proativo que as empresas podem desempenhar na regulação da privacidade dos dados. A muito discutida lei de regulamentação electrónica da privacidade da UE ainda não entrou em vigor e as ações de várias empresas privadas estão a mudar o panorama para o qual foi concebido.

"Por exemplo, a Google, que tem mais de 60% do mercado, vai parar os cookies de terceiros e por isso a legislação da ePrivacy está quase a extinguir-se antes de começar", afirma Archer.

O Vice-Presidente e Analista Sénior da Forrester acrescentou ainda que há uma tendência crescente das empresas que definem as suas próprias regras em matéria de privacidade, utilizando-as como forma de ganhar a confiança dos seus consumidores e melhorar a sua imagem de marca. Um exemplo disso é a Rolls Royce que criou um quadro de ética da IA, afirmando que "é um método que qualquer organização pode usar para garantir que as decisões que toma para usar a IA em aplicações críticas e não críticas são éticas".

O início de 2021 será também o fim do período de transição do Reino Unido após a sua saída da UE. Enza Iannopollo, analista sénior da Forrester, espera que o Reino Unido se torne efetivamente um "terceiro país" no que diz respeito ao Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) da UE, o que terá implicações importantes para as empresas europeias. "Significa que se a sua organização transferir dados pessoais da Europa continental para o Reino Unido para fins de armazenamento ou posse, terá de encontrar soluções alternativas para garantir que essas transferências possam ser feitas de uma forma que não viole as regras", explicou.

Estes recursos podem incluir aqueles que são de natureza técnica, tais como encriptar totalmente os dados antes de sair da Europa continental e garantir que permaneçam sempre encriptados, bem como a inserção de cláusulas contratuais.

Por último, Laura Koetzle, Vice-Presidente e Gestora de Grupos da Forrester, falou sobre o impacto potencial da iniciativa GAIA-X, uma tentativa de estabelecer requisitos comuns para uma infraestrutura de dados europeia, sobre as empresas europeias. Atualmente, a maioria dos fornecedores de serviços públicos de cloud de negócios na Europa são baseados em outros continentes, o que pode colocar questões de privacidade de dados devido às diversas legislações.

Embora Koetzle acredite que as organizações devem monitorizar de perto o potencial da recém-criada Fundação GAIA-X, esta não está pronta para substituir os hiperscaladores existentes que geralmente podem satisfazer as suas necessidades e satisfazer os requisitos de proteção de dados.

"Não achamos que esta iniciativa tenha muito impacto em 2021, por isso, enquanto muitas pessoas na Europa estão muito entusiasmadas com isso, o desafio atual é que os membros da Fundação GAIA-X forneçam serviços concretos e uma proposta de valor", afirma.


Notícias relacionadas

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº2 Setembro 2021

IT SECURITY Nº2 Setembro 2021

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.