News

Uma em cada 34 empresas sofreram tentativa de ataque de ransomware

A utilização da IA generativa pelos cibercriminosos estão a tornar os ataques cada vez mais sofisticados, recorrendo a técnicas como deepfakes e phishing

28/11/2023

Uma em cada 34 empresas sofreram tentativa de ataque de ransomware

De acordo com a Check Point Software Technologies, uma em cada 34 empresas foi alvo de uma tentativa de ataque de ransomware nos primeiros três trimestres de 2023, o que representa um aumento de 4% em comparação com o ano passado. Com a crescente popularidade e utilização da Inteligência Artificial (IA), particularmente da IA generativa, a atividade cibercriminosa está a tornar-se cada vez mais sofisticada, alerta a empresa.

A Check Point adverte que, apesar de os ciberataques estarem frequentemente associados à destruição e furto de dados, a criação de dados falsos e a falsificação de identidade são também técnicas utilizadas pelos atacantes para espalhar o caos e a desinformação. Além de mais numerosas, as ameaças no ciberespaço, cada vez mais impulsionadas pela IA, estão a tornar-se mais eficazes e difíceis de detetar.

A desinformação tem-se tornado um dos principais riscos de cibersegurança nos últimos anos, acredita a Check Point, sendo que os cibercriminosos visam aceder e exfiltrar dados sensíveis de empresas e agências governamentais.

O phishing é uma das técnicas mais utilizadas pelos cibercriminosos para a obtenção de informações, segundo a Check Point. Os ataques de phishing são cada vez mais convincentes, uma vez que as técnicas de aprendizagem automática permitem o aperfeiçoamento das fraudes.

Além disto, os cibercriminosos recorrem ao deepfake para obter dados privados através da criação de vídeos ou chamadas de voz falsificadas para tornar o esquema mais plausível, adverte a Check Point. O avanço nas técnicas de criação de ciberataques levou ao aumento do impacto do ransomware, que se tornou uma das maiores ameaças com um crescimento de mais de 37% no último ano. Os pedidos de resgate têm sido superiores a cinco milhões de dólares, acrescenta a empresa.

A desinformação, por sua vez, é utilizada pelos cibercriminosos para gerar a manipulação política e mediática, tendo a capacidade de influenciar a votação, desacreditar adversários, polarizar a opinião pública e gerar controvérsia entre a população, de acordo com a Check Point. Os designados ‘hacktivistas’ recorrem ao phishing para aceder a informações governamentais e criar notícias falsas, que podem ser acompanhadas por imagens ou vídeos deepfake, visando atingir os seus objetivos políticos.

“Com os ataques com base em IA que se apropriam indevidamente, manipulam e disseminam informações falsas aparentemente em ascensão, as empresas precisam de se proteger e acompanhar o ritmo dos cibercriminosos. É essencial que as organizações adotem estratégias para prevenir ameaças e invistam no desenvolvimento da cibersegurança e na implementação de IA nos seus sistemas”, explica Rui Duro, Country Manager da Check Point Software Technologies em Portugal. “Os ciberataques vão tornar-se mais frequentes e eficazes e as suas técnicas mais sofisticadas e credíveis. É essencial ter uma estratégia sólida de cibersegurança que esteja constantemente a ser revista para atualizar a segurança da prevenção em primeiro lugar”.


NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº16 Fevereiro 2024

IT SECURITY Nº16 Fevereiro 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.