Analysis

Executivos portugueses não compreendem cibersegurança

Estudo recente revela que mais de metade dos executivos de topo em Portugal considera que as ciberameaças são um risco, mas não conseguem definir prioridades de ação

25/05/2023

Executivos portugueses não compreendem cibersegurança

Um estudo recente da Kaspersky revela que mais de metade dos executivos de topo portugueses considera que as ciberameaças são um risco maior do que o agravamento do ambiente económico para as suas empresas. No entanto, não conseguem definir prioridades de ação devido à terminologia confusa utilizada em cibersegurança

De acordo com o estudo ‘Separados por uma linguagem comum: podem os executivos de C-level decifrar e agir perante a ameaça real dos ciberataques’, 52% dos gestores portugueses inquiridos considera que os ciberataques são o maior risco enfrentado pelas suas empresas, à frente dos fatores económicos (33%). Porém, 47% dos responsáveis considera que a linguagem utilizada em cibersegurança é o maior obstáculo à compreensão das questões de segurança por parte da sua equipa de gestão.

Entre os inquiridos portugueses, 30% dos executivos de C-level portugueses não compreendem o termo “ataques de phishing”, 34% consideram a palavra “malware” confusa, 29% não percebem a expressão “ataques à cadeia de abastecimento” e 28% dizem o mesmo em relação a “ataques de ransomware”. Resultados preocupantes, tendo em conta que os ataques de ransomware duplicaram em 2022 em todo o mundo, tendo os especialistas da Kaspersky avisado no início deste ano que esta tendência ascendente continuaria em 2023.

Apesar de a totalidade dos inquiridos estar consciente da frequência com que as suas empresas são atacadas por agentes de ameaças, apenas 44% dos executivos afirmaram que a cibersegurança está sempre na agenda das suas reuniões, em comparação com os 51% que admitiram que este tema só faz parte da agenda ‘às vezes’. 

Por dimensão da organização, 55% das empresas com entre mil e 1.999 colaboradores em Portugal afirmam que a cibersegurança é sempre um tema nas suas reuniões, em comparação com 41% das organizações com entre dois mil e 2.999 trabalhadores e os 25% das empresas com mais de cinco mil colaboradores. Ou seja, quanto maior é a empresa, menor é a presença da cibersegurança na agenda das reuniões executivas.

Questionados sobre que medidas de cibersegurança são mais importantes para a sua organização, 43% dos inquiridos portugueses indicou a segurança da cadeia de abastecimento, 42% a segurança dos dados gerados pela empresa e 38% as ameaças internas, perda de dados e níveis de acesso aos dados.

Embora as equipas de gestão sénior considerem os ciberataques como o maior risco para o seu negócio, a sua dificuldade em compreender a natureza das ameaças significa que não é uma prioridade ao nível da direção”, explica David Emm, Analista de Segurança Principal da Kaspersky.

Isto significa que muitas vezes tomam decisões críticas sem uma imagem clara do cenário de ameaças, o que coloca o negócio em risco. A linguagem inibe a capacidade das organizações de estabelecerem uma cultura de melhores práticas de cibersegurança, partilharem conhecimentos e implementarem inteligência de ameaças acionável”, conclui o especialista.


NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº19 Agosto 2024

IT SECURITY Nº19 Agosto 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.