News

Centro Nacional de Cibersegurança lança relatório sobre tecnologias emergentes

Estudo do CNCS aborda as cinco principais tecnologias emergentes – como IoT, inteligência artificial e tecnologias quânticas, entre outras – e o seu impacto na cibersegurança

05/05/2023

Centro Nacional de Cibersegurança lança relatório sobre tecnologias emergentes

O Observatório de Cibersegurança do Centro Nacional de Cibrsegurança (CNCS) publicou o Relatório Tecnologias Emergentes, através do qual disponibiliza uma análise sobre cinco tecnologias que podem ajudar a formar o presente e o futuro tecnológicos, nomeadamente a Computação em Nuvem, a Internet das Coisas, a Inteligência Artificial, a Tecnologia 5G e as Tecnologias Quânticas. 

Este documento apresenta-se segundo dois prismas. Por um lado, estas tecnologias são abordadas numa perspetiva histórica e considerando os seus principais impactos. Por outro, salientam-se neste contexto os aspetos destas tecnologias ligados à cibersegurança, designadamente os desafios e as oportunidades que elas colocam à segurança no ciberespaço.

As considerações que emanam deste Relatório permitem integrar a cibersegurança no quadro destas tecnologias, bem como identificar linhas de ação possíveis para uma implementação mais segura deste tipo de sistemas técnicos.

Entre as várias conclusões, destacam-se:

  • No contexto da computação em nuvem, Portugal está bem integrado nas tendências internacionais, com um conjunto de pequenos operadores secundários, embora sem o conhecimento detalhado dos grandes fornecedores mundiais, sendo importante a implementação das recomendações e regulamentações internacionais;
  • Devem ser promovidas as melhores práticas de desenvolvimento de software no âmbito da IoT através de programas dedicados, da criação de comunidades de profissionais de cibersegurança e da implementação de processos de certificação;
  • Suscita-se ainda a importância do estrito cumprimento do RGPD no contexto da IA, salientando-se a relevância da sua regulamentação para a atribuição de responsabilidades em caso de violação de privacidade e segurança. Paralelamente, e dada a opacidade inerente à tecnologia, conclui-se como sendo crucial, no contexto da segurança das organizações, uma abordagem baseada no risco;
  • A integração destas três tecnologias é propiciada pelo 5G, o que mostra a importância da sua permanente disponibilidade: a inclusão de mecanismos de IA e de computação em nuvem permitem automatizar aspetos de operação e otimização daquelas redes, mas acarreta preocupações ao nível da transparência na obtenção e utilização dos dados;
  • E a sustentar — mas também a ameaçar — todas as aquelas tecnologias emergentes, encontra-se a computação quântica, onde Portugal tem apresentado bons resultados ao nível da inovação. Todavia, conclui-se pela urgente análise crítica dos protocolos usados em serviços de autenticação e assinaturas digitais; e a necessidade de progressivo uso de redes quânticas para a distribuição de chaves.

O relatório pode ser consultado a partir do site do Centro Nacional de Cibersegurança.


NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº19 Agosto 2024

IT SECURITY Nº19 Agosto 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.