Analysis

Maioria dos ciberataques russos não são conhecidos

Um ano depois da invasão da Rússia à Ucrânia, duas entidades de serviços de inteligência lançaram um relatório que questiona se haverá total visibilidade da dimensão dos ataques

23/02/2023

Maioria dos ciberataques russos não são conhecidos

Um novo relatório dos serviços holandeses de inteligência – o Dutch General Intelligence and Security Service (AIVD) e o Military Intelligence and Security Service (MIVD) – indica que muitos dos ciberataques de origem russa ainda não são conhecidos

Apesar de dezenas de relatórios detalharem as operações maliciosas da Rússia no âmbito da invasão à Ucrânia, os especialistas questionam se haverá total visibilidade da dimensão dos ataques, uma vez que “o ritmos das operação cibernéticas russas é rápido”, diz o relatório, citado pelo The Record. Além disso, a natureza das instituições visadas, muitas delas governamentais e diplomáticas, leva ao sigilo sobre as vulnerabilidades.

Antes e durante a guerra, os serviços secretos e de segurança russos envolveram-se em espionagem digital generalizada, sabotagem e influência contra a Ucrânia e os aliados da NATO”, refere o relatório, que descreve a invasão da Ucrânia – que completa um ano – como “um ponto de viragem na história”. As agências descrevem a seleção de alvos da Rússia como “muito ampla”.

Os especialistas indicam que a maior parte das operações são de espionagem, destinadas a ter acesso a “informações militares, diplomáticas e económicas da Ucrânia e de aliados da NATO”. Além disso, em paralelo, os russos tentaram repetidamente implementar malware “wiper”, destinado a destruir dados em sistemas computacionais. 

Moscovo tenta regularmente sabotar digitalmente a infraestrutura vital ucraniana e realiza constantes ataques de malware wiper. A pressão constante e muito elevada que a Rússia exerce com isso exige vigilância constante dos defensores ucranianos e ocidentais”, diz o relatório conjunto.

Contudo, “a interrupção em grande escala até agora não se materializou e o impacto da sabotagem cibernética é ofuscado pelo impacto das operações militares físicas”. Mais, “o potencial das cibernéticas não pode ser totalmente explorado pela Rússia”, acrescentaram, sem fornecer explicações. 

Mas o relatório disse que “a maioria das tentativas de ataque digital russo são detetadas prematuramente ou remediadas rapidamente, graças a medidas de monitorização, deteção e resposta ucranianas de longo alcance. A Ucrânia recebe ajuda significativa, por exemplo, dos serviços e empresas de inteligência ocidentais”.

 


NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.