Analysis

Que pontos críticos devem os líderes de segurança endereçar em 2023?

Além de quatro pontos críticos, a Exclusive Networks lembra que é fundamental que qualquer estratégia de segurança seja abrangente, integrada, automatizada e resiliente, e que a formação deve estar na lista de prioridades das empresas este ano

31/01/2023

Que pontos críticos devem os líderes de segurança endereçar em 2023?

Na semana em que se comemora o Dia Mundial da Privacidade de Dados, os especialistas da Exclusive Networks e da Netskope decidiram destacar quatro pontos considerados importantes para os líderes de segurança em 2023.

  • Criar equipas unificadas de segurança, infraestruturas e operações para melhor assegurar uma transformação digital bem-sucedida

Está a tornar-se cada vez mais claro que para ter sucesso na atual força de trabalho híbrida, as organizações têm de encontrar uma forma de equilibrar e unificar as necessidades das equipas de segurança e de rede, sem qualquer conflito de interesses, afirmam, pelo que as equipas de networking não querem sacrificar o desempenho da rede e a experiência do utilizador, e as equipas de segurança não querem sacrificar a visibilidade e a proteção.

Uma arquitetura de acesso seguro convergente, que fornece um ponto único de controlo de tráfego e que permite uma experiência de trabalho híbrida sustentável, rápida, segura e rentável é a chave para unificar as necessidades das equipas de trabalho de redes e de segurança. 

  • Introduzir tecnologias e processos mais eficazes para reduzir a pressão (técnica e económica) que existe sobre a garantia de um ambiente 100% seguro, 24/7

Os últimos dois anos deixaram um histórico de ataques a grandes empresas bastante significativo, e as previsões sublinham que o cibercrime irá aumentar e ficar cada vez mais sofisticado. Garantir a segurança de uma organização requer uma estratégia preventiva, proativa, reativa, de manutenção e reavaliação e permanentes. Num contexto económico mais incerto a eficácia dos processos e tecnologias é a melhor forma de capacitar as pessoas e maximizar o impacto dos seus recursos de segurança. 

  • Comunicar permanentemente o real valor de uma estratégia de segurança integrada

Ainda que a cibersegurança esteja já na lista de prioridades dos decisores, os maus momentos económicos conduzem inevitavelmente a cortes orçamentais, e muitas vezes a segurança é colocada em segundo plano. É crucial que o real valor de uma boa estratégia de segurança seja permanentemente explicado, nomeadamente que a segurança não é um custo.

As perdas provenientes de uma falha de segurança ou de um ataque bem sucedido podem ser permanentemente devastadoras – não só a nível financeiro, mas também de confiança e imagem. Cabe aos líderes de segurança e tecnologia demonstrar que estas estratégias são fundamentais para os objetivos de negócio, aumentam a agilidade, controlam os custos e reduzem/gerem os riscos. Devem também reportar o progresso, educar as equipas de gestão e estabelecer expectativas avançadas de recursos para futuros ciclos orçamentais.

  • Gerir eficazmente o talento e as equipas, e dar prioridade ao bem-estar físico e mental

A guerra pelo talento tecnológico continua e os bons profissionais de segurança estão na lista dos mais procurados. Por outro lado, não é segredo que a segurança é uma área stressante, de grande rotatividade e com grande potencial de burnout. O número e o grau de sofisticação dos ataques vão aumentar significativamente, e com eles a pressão. A saúde mental deverá ser uma prioridade máxima em 2023.

Os líderes de segurança podem ajudar a mitigar alguns dos riscos inerentes ao esgotamento, quer se trate de funcionários descontentes que potencialmente se tornem mal intencionados ou do potencial de erros e negligência de uma equipa em burnout que pode potenciar fugas de informação sensível. As empresas devem enfrentar a crise da saúde mental, tanto para garantir uma resposta sóbria dos colaboradores quando a segurança corporativa está em jogo, como para criar e competir pelos melhores talentos de segurança.

A Exclusive Networks relembra que é fundamental que a estratégia de segurança seja abrangente, integrada, automatizada e resiliente, com capacidade de prevenção, gestão e resposta ágil, rápida e eficiente. Uma vez que a grande maioria dos ataques ocorrem por erro humano, e que a formação e sensibilização das equipas para este assunto são cruciais para evitar a maior parte dos problemas, a formação deve, também, estar na lista de prioridades das empresas este ano. 


NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº10 Fevereiro 2023

IT SECURITY Nº10 Fevereiro 2023

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.