Analysis

Setor financeiro assistiu a aumento de 53% no número de ciberataques

Relatório indica que os ciberatacantes adaptaram as suas técnicas aos sistemas bancários online, causando 4.414 ataques de ransomware ao setor financeiro durante o ano de 2023 em todo o mundo

30/04/2024

Setor financeiro assistiu a aumento de 53% no número de ciberataques

Os ciberataques tornaram-se uma ameaça real para a estabilidade financeira dos países. O setor bancário consolidou-se como um dos principais alvos dos cibercriminosos, devido ao elevado potencial para obter grandes lucros. Assim, durante 2023, verificou-se um aumento de 53% nos ciberataques de ransomware ao setor bancário, em comparação com 2022. Estes dados são revelados pela S21sec no seu “Threat Landscape Report”, que analisa a evolução dos ciberataques a nível global.

Devido à digitalização massiva que se tem verificado no setor bancário nos últimos anos, os atacantes adaptaram as suas técnicas ao sistema bancário online, causando, a nível global, um total de 4.144 ataques de ransomware ao setor financeiro em 2023, sendo que 2.930 ocorreram durante o segundo semestre do ano. Esta nova abordagem dos cibercriminosos causou também uma diminuição de 40% nos ataques sobre os multibancos nos últimos anos.

Entre os ataques mais utilizados contra o setor financeiro, a S21sec destaca a atividade de malware, um tipo de software malicioso projetado para danificar ou explorar dispositivos, redes ou serviços. No caso do setor financeiro, estes ataques centram-se maioritariamente na recolha de informações pessoais e bancárias, que podem permitir o roubo de fundos de contas bancárias ou de carteiras de criptomoedas. Os cibercriminosos utilizam diversas técnicas para obter estas informações, como infostealers, injeções web, malspam ou emails e SMS de phishing.

Hugo Nunes, responsável da equipa de Threat Intelligence da S21Sec, destaca, em comunicado, a importância do fator humano neste tipo de ataques, “na maioria dos casos, são as pessoas que abrem o link malicioso, permitindo assim que o atacante invada o seu dispositivo e inicie a operação criminosa. É muito importante que haja uma consciência para a importância da cibersegurança, de forma a garantir a proteção dos equipamentos digitais e finanças das pessoas, e o primeiro passo é nunca aceder a um URL suspeito ou divulgar informação bancária sem confirmar com o seu banco”.

A S21sec destaca a atividade de um dos malwares mais ativos nos últimos seis meses de 2023, conhecido com Danabot. Este tipo de ataques destaca-se pela utilização de injeções web, uma técnica que permite ao malware modificar ou injetar código malicioso no conteúdo dos websites visitados pelos utilizadores, sem o seu conhecimento ou consentimento. O Danabot é também utilizado frequentemente para diversas atividades, como ataques distribuídos de negação de serviço (DDoS), propagação de spam, roubo de passwords, roubo de criptomoedas e como um bot versátil para diversos outros propósitos.

A empresa destaca também a presença neste ecossistema do malware JanelaRAT, um tipo de malware que tem como principal objetivo permitir o acesso remoto ao equipamento infetado, mas que permite também o roubo de credenciais de acesso a bancos e a carteiras de criptomoedas. Este malware cria formulários falsos quando deteta o acesso a um website bancário ou cripto, capturando os cliques do rato, as teclas digitadas, capturas de ecrã e recolhe informações do sistema para potenciar os ciberataques. O método de distribuição deste malware é principalmente através do envio de emails direcionados às vítimas (spear phishing). Estes e-mails contém um link que, que uma vez visitado, mostra ao utilizador uma página falsa, descarregando automaticamente a primeira fase do malware e garantindo a sua persistência no equipamento, sendo posteriormente ativadas as potencialidades de contacto para os servidores maliciosos e o roubo da informação bancária.

Outro dos ataques via malware mais frequentes tem sido através do ToinToin, que faz parte de uma campanha sofisticada que consegue distribuir malware e infetar os equipamentos através de diversas etapas de execução. A distribuição deste malware é também maioritariamente realizada através de emails que contêm um URL malicioso, e o payload final tem como objetivo estabelecer uma conexão para o atacante e iniciar o roubo de informações do equipamento afetado.

Face à crescente ameaça dos ataques de ransomware ao setor financeiro, é imperativo que as organizações adotem uma postura proativa em relação à cibersegurança. Identificar os sinais precoces de atividades suspeita, investir em sistemas de deteção e prevenção eficazes e seguir protocolos de resposta a incidentes bem definidos são passos essenciais para mitigar o risco de um ataque e minimizar o seu impacto. Além disso, a consciencialização dos funcionários sobre boas práticas de cibersegurança e a implementação de medidas de proteção robustas, como, por exemplo, manter os sistemas atualizados, utilizar a autenticação de múltiplos fatores e realizar backups regulares, são componentes cruciais de uma estratégia de defesa abrangente. Ao compreender as motivações dos atacantes e estar preparadas para enfrentar ameaças multifacetadas, as organizações podem fortalecer a sua resiliência e a capacidade de resposta face ao desafio constante representado pelo ransomware.


NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.