Analysis

VisionWare promove “Conversas Seguras” sobre a atualidade do IT e cibersegurança

Num evento com jornalistas em Lisboa, a VisionWare fomentou a discussão sobre temas como o estado de maturidade em cibersegurança em Portugal, estratégias de resposta a ciberataques, ou o crescimento de uma economia de cibercrime

Por Maria Beatriz Fernandes . 19/04/2023

VisionWare promove “Conversas Seguras” sobre a atualidade do IT e cibersegurança

A VisionWare promoveu esta quarta-feira as “Manhãs VisionWare – Conversas Seguras”, um pequeno-almoço com jornalistas que incentivou o debate sobre alguns dos mais urgentes e emergentes temas relacionados com a cibersegurança e o setor de IT, em particular no contexto português. 

Entre outros, a conversa suscitou a discussão sobre tópicos como o estado de maturidade digital e de cibersegurança em território nacional face ao mundo, sobre estratégias de resposta a ciberataques, as atuais ameaças e desafios, em particular no âmbito da nova economia de cibercrime e do complexo contexto geopolítico, e o VisionWare Threat Intelligence Center.

Bruno Castro, CEO e fundador da empresa, que esteve presente para dinamizar as “Conversas Seguras”, começou por discutir o nível de literacia digital em Portugal, que, apesar de ter vindo a melhorar, ainda se revela baixo. Esta falta de consciencialização para o funcionamento do universo digital e dos respetivos perigos tem sido altamente aproveitada pelos cibercriminosos para direcionarem ameaças. Porque “estamos mais vulneráveis” do que no nunca no digital e porque o fator humano ainda é um dos principais vetores de ataque, o cibercrime não para de crescer. 

A discussão virou-se para a mais-valia que é a comunicação no contexto do cibercrime, tanto na necessidade de as organizações terem a comunicação de crises embebida na sua estratégia, como da comunicação social na consciencialização da população, das empresas e organizações para os perigos atuais. 

O CEO da VisionWare, que se começou a interessar pelo mundo cibernético desde tenra idade devido ao filme WarGames e ao seu pai, engenheiro e professor universitário, explicou que na eventualidade de um ciberataque, a equipa forense tem a última palavra. Assim, enquanto a investigação não estiver concluída, o lado técnico não pode avançar e colocar os sistemas em funcionamento. 

Bruno Castro ressalvou, também, a importância de não ceder ao pagamento de resgates, acima de tudo por ser uma demonstração de fraqueza. Segundo explicou, a um ciberataque segue-se um período em que vários cibercriminosos tentam aproveitar as eventuais vulnerabilidades da organização em questão. Além disso, se a organização fizer o pagamento do resgate, mais aliciante se torna. 

Entre as maiores tendências no mundo da cibersegurança, o líder destacou os seguros – sobre os quais se demonstra cético –, os testes de recuperação de ataques, e uma forte demanda por SOC. Finalmente, alertou para o grande problema de recursos humanos que a área enfrenta. “Nas universidades são aprendidas as ferramentas, mas dar o salto para o real demora anos”, afirmou Bruno Castro. Além disso, “mesmo formando, a retenção é um problema”. No caso português, em particular, a dificuldade de retenção agrava-se porque apesar da formação ser de qualidade, há oportunidades mais aliciantes no exterior, em empresas estrangeiras que têm mais capacidade de compensação e melhores condições para oferecer. 


NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.