News

Nova ciberestratégia do Pentágono baseia-se na invasão russa da Ucrânia

A estratégia cibernética mais recente do Departamento de Defesa dos EUA, divulgada esta terça-feira, é baseada, em parte, em aprendizagens sobre o conflito entre a Ucrânia e a Rússia

15/09/2023

Nova ciberestratégia do Pentágono baseia-se na invasão russa da Ucrânia

Departamento de Defesa norte-americano divulgou a nova estratégia cibernética secreta do Pentágono, assente em aprendizagens das suas operações ofensivas e da invasão da Ucrânia pela Rússia.

As prioridades principais da mais recente ciberestratégia, uma atualização à sua antecessora de 2018, foram detalhadas num documento não classificado de 24 páginas, enviado ao Congresso em maio.

“A estratégia baseia-se na nossa experiência na condução de operações ofensivas e defensivas”, disse Mieke Eoyang, subsecretário adjunto de Defesa para política cibernética, durante uma conferência de imprensa. 

“Também é informado pela observação atenta do Departamento de Defesa da guerra Rússia/Ucrânia e pela integração da cibersegurança em operações militares de grande escala”, acrescentou. “O que quer dizer que este não é um documento aspiracional, reflete lições e verdades duramente conquistadas”.

Para Eoyang, a conclusão central retirada do conflito pelo Departamento sobre conflito é que, no período anterior à invasão russa, “havia uma sensação de que o ciberespaço teria um impacto muito mais decisivo na guerra do que aquele que experimentámos”. A atual guerra evidencia a “a importância das capacidades cibernéticas integradas e a par de outras capacidades de combate”.

A quarta, e mais recente, estratégia cibernética criada pelo Pentágono inclui também o habitual aviso sobre os perigos que a Rússia e a China representam para a infraestrutura e os interesses dos Estado Unidos, considerando a ameaça chinesa “ampla e generalizada”.

Eoyang aponta que esta estratégia difere das anteriores no seu compromisso em construir as capacidades digitais dos seus aliados a nível mundial, visando “aumentar a nossa resiliência coletiva contra ciberataques”. O especialista sublinha ainda que “aliados e parceiros são uma vantagem estratégica que nenhum concorrente pode igualar. Os adversários tentam continuamente minar as capacidades dos nossos parceiros, e é do nosso interesse fortalecer a rede de defesa dos nossos aliados e parceiros”.

Esta ciberestratégia é uma restauração do documento de 2018, que assistiu à mudança dos militares norte-americanos de uma abordagem responsiva para uma agressiva, onde os operadores enfrentavam os adversários estrangeiros mediante uma doutrina de “envolvimento persistente”.


NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.