S.Labs

O potencial impacto da Inteligência Artificial na Cibersegurança

O que a Inteligência Artificial tem a dar à Cibersegurança poderá também colocá-la em causa, razão pela qual a ação dos profissionais de TI ganha cada vez mais importância.

Por David Grave, Security Director na Claranet Portugal . 01/02/2024

O potencial impacto da Inteligência Artificial na Cibersegurança

As soluções tradicionais de Cibersegurança deixaram de ser suficientes para enfrentar as complexidades e vulnerabilidades da era digital. A indústria passou, por isso, a recorrer a ferramentas mais inovadoras e eficientes, nas quais a Inteligência Artificial (IA) surge cada vez mais como resposta para grande parte das vulnerabilidades, fomentando uma nova geração de soluções de proteção.

A utilização da IA na Cibersegurança está associada à aplicação de algoritmos e técnicas de aprendizagem automática, de forma a fortalecer a segurança da informação nas organizações. Esta aplicação resulta na automatização de tarefas de segurança - como a deteção de ameaças e a resposta a incidentes -, tendo como base a análise em tempo real de grandes volumes de dados para identificar atividades suspeitas e ameaças potenciais, atuando de forma mais rápida do que as análises manuais.

Numa perspetiva organizacional, a aplicação de ferramentas de IA na Cibersegurança capacita as organizações a protegerem os seus ativos e dados críticos com maior eficácia e precisão.

No entanto, da mesma forma que a IA pode ser a resposta a um novo paradigma de Cibersegurança, também os cibercriminosos poderão usá-la para aprimorar as suas técnicas de ataque e para evadir os sistemas de deteção. A ideia, uma vez mais, é que as organizações consigam usar a tecnologia para antecipar possíveis ataques, mantendo-se um passo à frente dos atacantes…

Onde atua a IA?

Podemos apontar quatro tipos de tarefas que a IA consegue melhorar, de forma significativa, ao nível da Cibersegurança:

  • Automatização e otimização da deteção de ameaças: a IA pode aprender rapidamente a identificar padrões e anomalias em grandes volumes de dados. Tal resulta na automatização e melhoramento da análise e identificação de ameaças, reduzindo, assim, o tempo necessário para detetar e responder às ameaças cibernéticas.
  • Sistemas de defesa adaptativos: a IA permitirá o desenvolvimento de soluções inteligentes, capazes de aprender continuamente a partir das interações com as ameaças, permitindo uma adaptação mais eficaz dos sistemas às alterações das táticas dos cibercriminosos.
  • Cibersegurança proativa e preditiva: a análise de tendências a partir de informações históricas, com base nas ferramentas de IA, poderá permitir a previsão de ameaças. A Cibersegurança evoluirá, deste modo, de uma abordagem reativa para uma abordagem mais preditiva e proativa.
  • Cibersegurança mais acessível: a implementação da IA em soluções de Cibersegurança permitirá que os custos de serviços e tecnologias diminuam consideravelmente.

Com base nestas diferentes tarefas e características, as organizações poderão responder às ameaças em tempo real, diminuindo o tempo de reação, crucial para a mitigação de riscos. Para além destes benefícios, a IA poderá auxiliar ainda na identificação da causa raiz das violações de segurança, assim como na prevenção da sua reincidência.

O papel dos profissionais

Para que todo este potencial seja efetivamente utilizado em prol de uma (ciber)segurança maior, há que reconhecer os riscos associados à IA neste domínio e adotar procedimentos rigorosos na sua utilização, apostando num planeamento cuidado da sua implementação e numa monitorização adequada.

Será também necessário uma evolução paralela do papel dos profissionais de TI nesta área.

A tendência é que a procura por especialistas em IA e Cibersegurança continue a crescer – alargando o cenário de escassez de Recursos Humanos, por um lado, mas criando também oportunidades e vagas de emprego.

Este contexto confere aos CIO, CTO, CISO e Diretores de TI um papel fundamental para orientar esta mudança no cenário global de Cibersegurança, mas torna também crucial a ação dos providers deste tipo de soluções e serviços, que deverão trabalhar em parceria estreita com as organizações, partilhando a sua experiência e know-how.

A adoção de IA na Cibersegurança não é mais uma questão de escolha, mas sim uma necessidade iminente para garantir a proteção das nossas redes, sistemas e dados. E quanto mais eficiente e “inteligente” for o ecossistema de proteção, mais perto estarão as organizações de tornar essa proteção efetiva.

 

Conteúdo co-produzido pela MediaNext e pela Claranet Portugal


RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº16 Fevereiro 2024

IT SECURITY Nº16 Fevereiro 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.