Opinion

Anchor

Criptoquintas: nem sequer é ainda o início

A recente queda generalizada das criptomoedas no seguimento do colapso das chamadas “stablecoins”, isto é, moedas com valor em paridade com moedas emitidas por bancos centrais, nomeadamente o dólar, levou alguns a especular que se estaria prestes a assistir ao declínio derradeiro desta forma de pagamento

Por Henrique Carreiro . 17/06/2022

Criptoquintas: nem sequer é ainda o início

Mark Twain é sempre citado em tais ocasiões: “As notícias da minha morte são muito exageradas”. O mesmo se poderá dizer nestas circunstâncias. É certo que investidores menos avisados perderam valores incalculáveis com a queda do mercado das criptomoedas, mas o mesmo se poderá dizer sobre os investidores talvez algo mais avisados que investiram no mercado em produtos mais tradicionais.

O que saltou à vista é que os fatores de risco para os produtos financeiros tradicionais o são também para as criptomoedas. Não há balas de prata. Agora, esperar que este colapso leve ao final do toda a indústria em torno de cripto? Dificilmente.

Há fatores que são amplamente discutidos – nomeadamente a necessidade de mais regulamentação – e outros que são menos, nomeadamente a infraestrutura por detrás da que se tornou uma indústria poderosíssima, com o apoio de governos de todas as cores e de firmas de capital de risco.

No dealbar da invasão da Ucrânia pela Rússia, o dinheiro de contribuições fluiu em forma de cibermoedas, e não é preciso um salto de imaginação para entender que eventualmente o mercado do armamento “underground” é hoje, tal como o mercado de muitos outros produtos legítimos ou menos legítimos, dominado pelos pagamentos em dinheiro cripto.

Recentemente, foi descoberta e anunciada uma “criptofarm” na mais antiga das cadeias russas – “farm” essa gerida não por detidos mas por guardas. As “criptofarms” multiplicaram- se durante o “boom” de Bitcoin, Ethereum e outras moedas, e constituem enormes investimentos em infraestrutura que não vão ser deitados fora da noite para o dia.

Se a atividade principal deixa de ter a rentabilidade esperada, diversificam, procuram novas oportunidades de negócio, como qualquer empresa. Na verdade, muitas delas, por peculiar que nos pareça, podem ser consideradas “startups”, com os mesmos desafios de crescimento e retenção de talento de todas as outras.

Mas a infraestrutura está lá – e com uma reviravolta adicional. São “quintas” extremamente otimizadas para lidar com tudo o que são sistemas criptográficos, seja para os codificar, seja para os descodificar. Ou seja, é perfeitamente possível usar tal gigantesco poder computacional para quebrar o que estiver cifrado, o que neste momento é praticamente tudo o que de valor circula pela internet, de informação a conteúdos ou transações financeiras. Os investidores que buscam o retorno do capital investido nestas infraestruturas, que proliferam em locais como a Mongólia ou o Cazaquistão, devido à fraca regulamentação e possivelmente menores custos energéticos, não estarão muitos deles demasiado preocupados sobre a legitimidade da próxima fonte de receitas, desde que estas continuem a fluir.

Estes fatores deverão constituir matéria de preocupação, alerta e atuação para toda a comunidade da segurança informática. Com firmeza e sem ilusões perceber que se hoje o “ransomware” e outros ataques são essencialmente pagos através de criptomoedas, no futuro as fontes de receitas procuradas pelos agentes deste “mercado” tenderão a diversificar- se mais do que a concentrar-se. E a diversificação tenderá à existência de um maior número de ataques sobre os quais, por agora, podemos apenas especular, provavelmente sem grande sucesso no resultado da especulação.

O que é necessário, isso sim, é perceber o problema: existem milhares de milhões de dólares investidos em infraestrutura que pode ser apontada para quebrar a Internet como a conhecemos e essa infraestrutura está situada em países com fraca capacidade de responder e encerrá-la – ou fraca vontade, mesmo. O que é que daqui pode mesmo correr mal?


RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº6 Junho 2022

IT SECURITY Nº6 Junho 2022

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.