Threats

Mandiant realça ciberameaças russas e chinesas à NATO

Na véspera do 75.º aniversário da NATO, a Mandiant sublinha qual é o estado atual das ciberameaças que a organização e os países aliados enfrentam

09/07/2024

Mandiant realça ciberameaças russas e chinesas à NATO

As ciberameaças contra a NATO e os seus estados-membros aumentaram com o início da guerra na Ucrânia, mas os agressores não estão limitados ao território russo. As tecnologias e os segredos de defesa da NATO são o alvo principal dos países que não estão associados à NATO ou que não sejam simpatizantes da organização.

John Hultquist, chief analyst da Mandiant Intelligence, reuniu as princpais ciberameaças que a NATO enfrenta antes da cimeira em Washington DC, entre 9 e 11 de julho, que coincide com o 75.º aniversário da NATO.

Os principais opositores são cibercriminosos apoiados pelos governos russo e chinês, a atividade criminosa com motivações financeiras e cibercriminosos com motivações ideológicas.  As motivações políticas são a ciberespionagem e a guerra híbrida, para espalhar desinformação e atacar a sociedade de força a enfraquecer a determinação e o apoio do público à organização.

Hultquist destacou três grupos de cibercriminosos russos apoiados pelo estado: o ATP29, focado na recolha de inteligência; o COLDRIVER, focado na desinformação; e o APT44, focado com ciberataques disruptivos.

Além dos referidos, Hultquist avisa que agressores ligados ao estado, não limitados à Rússia, estão “a comprometer as infraestruturas críticas dos membros da NATO em preparação para ataques futuros”.

A atividade chinesa mudou de ataques fortes e com uma atribuição fácil, para uma maior concentração em dissimulação. “Os investimentos técnicos aumentaram o desafio para os defensores e reforçaram as campanhas bem-sucedidas contra alvos governamentais, militares e económicos de países membros da NATO”, refere Hultquist.

As ciberameaças geopolíticas aumentaram com a guerra na Ucrânia e está agora centrada contra a NATO e os países associados à aliança ocidental. “A NATO tem de contar com a colaboração do setor privados da mesma forma que conta com os membros constituientes”, afirma John Hultquist. “Além disso, tem de aproveitar a vantagem quem contra as ciberameaças – a capacidade tecnológica do setor privado – para tomar iniciativa no ciberespaço contra os adversários da NATO”, explica.


NOTÍCIAS RELACIONADAS

RECOMENDADO PELOS LEITORES

REVISTA DIGITAL

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

IT SECURITY Nº18 Junho 2024

NEWSLETTER

Receba todas as novidades na sua caixa de correio!

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.